quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Poetas alagoanos quase esquecidos (3)

Guedes de Miranda
.
Antes que desça a noite
.

Guedes de Miranda
.
Antes que desça a noite,
O sol se pondo,
Contemplo em paz o fim da minha tarde.
Recordo o que fui – vencendo o tempo
Percebo o que sou – pelo tempo vencido.
Lutei, sofri, amei – vivi
E, com certeza, morrerei.
A ninguém, neste mundo, posso dizer
Fiz mal.
Quando a noite ontológica, implacável, descer,
Que restará de mim?
– Estes pobres poemas largados à toa:
Minh’alma dançando a valsa das sombras
E palavras, palavras...
E o fim, nada mais.
.
.
.

Ciúme
.
Guedes de Miranda
.
A tua sombra procurou-me aflita
e me disse em pranto:
– Tenho ciúme de ti, amigo,
porque o meu corpo está fugindo de mim
para ficar contigo.
.
.

Antônio Guedes de Miranda nasceu em Porto Calvo em 16 de maio de 1886. Formado em Direito pela Faculdade de Direito de Pernambuco. Ao regressar a Alagoas, consagrou-se como um grande tribuno. Foi professor da velha Faculdade de Direito de Alagoas, Interventor e Vice Governador de Alagoas. Além de advogado, foi jornalista e brilhante poeta. Deixou os livros Exaltação à terra e sua gente, Antes que desça a noite e Eu e o Tempo. Faleceu em 1º de agosto de 1961, em Maceió. (Colaboração de Arlene Miranda)

2 comentários:

Arlene disse...

Meu caro poeta e amigo Zé Alberto, agradeço-lhe as referências elogiosas ao meu querido tio, Guedes de Miranda, de quem guardo gratas recordações. Guedes foi, sem favor, um dos maiores tribunos alagoanos e deixou seu nome gravado nos anais da Faculdade de Direito de Alagoase e na História de nosso Estado. Foi uma bela homenagem a que vc lhe prestou em seu lindo blog. Gratíssima. Arlene Miranda.

THALES DE MIRANDA disse...

Obrigado por esta referência poética ao meu tio avô Antonio Guedes de Miranda, sobre cuja vida venho pesquisando sem achar muitos dados.