sábado, 13 de dezembro de 2008

Mario Quintana

Mario Quintana
.
Os poemas
.

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...
.
<>
.
Eu queria trazer-te uns versos muito lindos
.
Eu queria trazer-te uns versos muito lindos
colhidos no mais íntimo de mim...
Suas palavras
seriam as mais simples do mundo,
porém não sei que luz as iluminaria
que terias de fechar teus olhos para as ouvir...
Sim! Uma luz que viria de dentro delas,
como essa que acende inesperadas cores
nas lanternas chinesas de papel!
Trago-te palavras, apenas... e que estão escritas
do lado de fora do papel... Não sei, eu nunca soube
o que dizer-te
e este poema vai morrendo, ardente e puro, ao vento
da Poesia...
como
uma pobre lanterna que incendiou!
.
Mario de Miranda Quintana nasceu na cidade de Alegrete (RS), no dia 30 de julho de 1906, quarto filho de Celso de Oliveira Quintana, farmacêutico, e de D. Virgínia de Miranda Quintana. Com 7 anos, auxiliado pelos pais, aprende a ler tendo como cartilha o jornal Correio do Povo. Seus pais ensinam-lhe, também, rudimentos de francês. Faleceu em Porto Alegre, no dia 5 de maio de 1994 O primeiro poema é do livro "Aprendiz de Feiticeiro (1950) e o segundo, do livro "Apontamentos de história natural" (1976).

Um comentário:

Sandra disse...

Parabéns pela postagem querido JAC.

E por oportuno quero parabenizá-lo pelo belo trabalho que você tem feito no nosso blog.
Viva o Movimento da Palavra!!!

beijos saudosos

Sandra