terça-feira, 21 de outubro de 2008

Poema de Marília Rodrigues Alencar

Marília Rodrigues Alencar
.

Lua cheia
.
Noite de lua cheia
A rua clareia
O sexo aflora
Mulher vira sereia
Homem, lobisomem
Loucos, mais loucos
Corações sensíveis
Lágrimas escorregam
Choro corre solto
Timidez tem fim
Sorrisos viram gargalhadas
Os mudos tornam-se calados
Os calados, tagarelas
Os tagarelas, ninguém agüenta
O mundo vira pelo avesso
E só volta ao seu lugar
Quando a lua cheia passar...
.

Marília Rodrigues Alencar é médica com especialização em Psiquiatria e prepara seu primeiro livro de poemas - Paixão Acesa - que deverá ser lançado até o final do ano.

3 comentários:

Antunes Marinho disse...

A lua sempre presente em todos os poemas... Muito bem Marília, aguardamos pelo livro!!!
Bjos

Anônimo disse...

Parabéns Marilia pela sua poesia. Eu agora sou vou sair nas noites de lua cheia... pra virar sereia e pegar lobisomem.
Lucia Maria

Nielson Ribeiro disse...

Em noite de Lua Cheia, tudo foi invertido para melhor.
Vc esta sendo a melhor inversão do meu melhor amigo. Parabéns!!!